sexta-feira, 4 de maio de 2012

Palavra Comprida


           João é um menino de olhos brilhantes e um sorriso branquinho, sempre à mostra, enquanto corre, atendendo à mãe.
-Menino vá olhar seu irmão!
E lá se vai João correndo depressa, para carregar a criança que chora entre fraldas úmidas e barriga vazia. Cuida do bebê um pouco como se fosse um brinquedinho que se move e chora, e um pouco como se fosse um filho ,que ele protege e acarinha.
O pai abandonou a família, mas aparece de vez em quando, entre uma cachaça e outra, para a alegria de João e conflito da mãe, que não sabe como fazer para prescindir da sua presença. O jeito tem sido contar com João, precocemente elevado à categoria de homem da casa, aos nove anos.
 João é um desses muitos meninos que, cedo, na vida, precisam aprender o significado de uma palavra comprida demais : responsabilidade.
- João, você ainda não foi comprar pão, menino?
-Mãe, deixa eu ir de bicicleta?
É porque o menino, de vez em quando, aparece, entre uma e outra tarefa imposta pela necessidade da vida:
- Mãe, posso usar o detergente para fazer bolinhas de sabão?
Ou surge por encanto, quase como um protesto, numa frase dita de passagem:
-Olha, minha tia, eu sou tão pequeno que, para pôr a mesa, preciso subir na cadeira.
João transforma em pistola de água a mamadeira do irmão. Ou faz o bebê de aviãozinho, mostrando a todos as suas peripécias. E o bebê? Apenas ri com tanto movimento , com as música a alto volume, quase solidário ao irmão que gosta de dançar  “olhando” ele.
-Minha mãe não está, moça, ela foi trabalhar para comprar o leite de meu irmãozinho.
- Você não acha, tia, que esta lata devia durar um ano?
Pois é, João, se a lata de leite durasse um ano, você poderia ser o menino João, para catar as conchinhas na praia sem pensar se deveria vendê-las, ou colher as flores do jardim de sua mãe, para presentear a professora com a qual você sonha, mas ainda não lhe conhece. E talvez, tivesse sua mãe mais próxima a você, penteando seus cabelos tão queimados pelo sol.
-Ah! A escola, tia? Só vou no final do ano.
 Não pode ser no final do ano, João, mas no começo do próximo! Ou do próximo tempo e da próxima vida nova que você espera acontecer, para não ter que brincar apenas nos intervalos e nem ter de pedir um beijo assim, tão envergonhado, como se já tivesse perdido o direito de ser uma criança.
Mas a alma de menino dá sempre um jeito de aproveitar uma distração da vida responsável para correr um pouquinho pela praia na hora de deixar o recado com a vizinha, sentindo o vento no rosto; tomar banho de chuva; brincar de água com o cachorro que precisa tomar banho; ou pirraçar o irmão mais novo ,por pura inveja da sua infância.
 Deixa para mim esses pratos, João, e vai brincar! Não brinca com o tempo porque ele parece bolinha de sabão, mas não é brincadeira e quando ele passa , a gente corre o risco de esquecer a arte de brincar de viver.
Ah!João, se eu pudesse, deixava para mim aquela palavra comprida que não me pesa mais.  E carregava palavra e criança no colo, presenteava sua mãe com incontáveis latas de leite, dava brinquedo e casa grande  para a criança linda e teimosa que insiste em viver no seu coração e brilhar nesses olhos.
Olhos tão comuns. Olhos de sol e de sal. Olhos que nos traduzem, que  nos decifram e que nos convidam a pensar. Olhos grandes e interroga(dores) de criança barrigudinha e descalça. Olhos de um menino brasileiro, habitante de uma vila qualquer.


7 comentários:

  1. Valeu, Susana! É mais um lindo. Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Ai Su, que texto LINDOOOOOOOOOOOO. Não tenho comentários a fazer só emoção para sentir. GRANDE ESCRITORA. Bjs
    Alba

    ResponderExcluir
  3. Texto maravilhoso! No momento em que os professores pedem dignidade, a infância pouco vivida de vários meninos e meninas aqui tão bem escrita. Parabéns amiga.

    ResponderExcluir
  4. Criança aprende brincando! Começa a conhecer a vida e as relações inter-pessoais com seus pares, nos seus encantadore jogos e peraltices. Como pode ser privado de uma fase tão importantante e tão essencial, para seu desenvolvimento emocional,e equilíbrio? Só que por ser criança , e por isso esperta, sempre acham uma maneira de, até fazendo coisas de gente grnde, ser criança só por brincadeira!
    Belo texto Su, e como sempre emociona e no remete aquelas lembranças das nossa próprias infâncias, eu no caso sendo a mais nova(caçula), fiz o papel do bebê-brinquedo de todos meus irmãos mais velhos! Lindo demais

    Aidil Andrade

    ResponderExcluir
  5. Que lindo Sú!Vejo nesse texto a figura de vários irmãos de vários pacientes que a gente reabilita...uma infância vista como sofrida por uns, como castigada por outros, porém a infância que foi destinada por Ele!!!E, toda criança tem o seu jeitinho de criar a sua infância, o seu mundo particular!!!Beijos, Irma

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é isso mesmo Irma! nós conhecemos alguns meninos como joão! fico muito feliz que tenha gostado! bjo

      Excluir
  6. Susana, lembrei de algumas crianças com as quais mantenho contato através do projeto que trabalho. Apesar de serem desprovidas daquilo que chamamos de "bons modos", é tão bom deixar de lado os (pre)conceitos e conseguir observar a beleza do que é ser criança. Por alguns instantes, algumas horas, uma vez por semana, as vezes mais que isso, posso ser testemunha ocular e também personagem de momentos que poucos têm a oportunidade de vivenciar...

    Texto lindo! Sensível! Obrigada por esse presente!

    Beijo. Luciana Oliveira

    ResponderExcluir