sexta-feira, 18 de maio de 2012

O Voo dos Sentimentos

Sentimentos são difíceis de definir: talvez por excesso de  sensibilidade, eles prefiram não ser incomodados com as nossas perguntas. Certamente, porque perguntas são habitantes do reino da razão e os sentimentos vivem no reino da sensibilidade. Nós é que necessitamos unir os dois reinos pela ponte das palavras. Acontece que, muitas vezes, teimamos em usar as palavras, não apenas como um transporte, mas para traduzir, explicar, adaptar em conceitos o que é para ser apenas ...sentido.
Eu já lhe disse? As palavras são como pássaros, embora não sejam suas letras a alçar voos, mas, sim, os sentimentos que as acompanham. São eles que inundam as palavras , e delas transbordam, transformando-as em pássaros. Todo poeta sabe o quanto os sentimentos ultrapassam as palavras, já que, por serem poetas, frequentemente  assistem ao momento em que esses belos pássaros libertam-se, em revoada, com suas asas abertas, da tinta, do papel , do livro onde estavam inscritos.
Rilke, usando palavras cheias de sentimento, escreve cartas a um jovem poeta. Em uma delas, esclarece: “as coisas em geral não são tão fáceis de apreender e dizer como normalmente nos querem levar a acreditar; a maioria dos acontecimentos é indizível, realiza-se no espaço que nunca uma palavra penetrou , e mais indizíveis do que todos os acontecimentos são as obras de arte, existências misteriosas , cuja vida perdura ao lado da nossa, que passa.”( Rilke,2009) 
            Nós, que não somos poetas, e temos vidas que passam, vivemos da ilusão de que um dia encontraremos as palavras certas onde se encaixarão todos os sentimentos. Acreditamos nos organizar explicando tudo. E, às vezes, nem reparamos que, quando tentamos arrumar os sentimentos dentro das palavras, eles nos escapam e desaparecem como por encanto.
Ah! Mas como insistimos em afugentá-los!
Quando Saudade, branco como a pureza do encontro, vem, lentamente, sobrevoando o nosso peito cansado, começamos as perguntas geográficas:" De onde vinha? Para que vai? Vai voltar?"
Quando melancólicos, Tristeza vem, com as suas asas cinzentas - ternamente - para dentro do nosso coração; assustados, fazemos as perguntas históricas: "Por quê ?  Como foi o passado? Como será o futuro?"
Se Alegria, veloz e com suas penas das cores do arco-íris, aproxima-se, saltitante, desejando habitar em nossa alma, já lhe entristecemos com nossas questões gramaticais: "Descreva,  narre, interprete".
Se Amor, cor-de-rosa quente e delicado, aponta no horizonte, que repentinamente se torna mais belo, já começamos com as perguntas matemáticas: "Quanto?  Quando começou? Quando acabará?"
Psiu! Amando, feche os olhos sob as estrelas, em silencio, e sinta o amor  dentro da sua alma.  Apenas sinta. Não busque perguntas para explicá-lo ou poderá perdê-lo. É assim que ele vai tomando corpo dentro do seu peito e o sentimento  agitará as suas asas e o transportará suavemente. Se você permitir, ele voará de mansinho,  indo direto ao coração daquele que é amado por você. Continue de olhos fechados, respire fundo e experimente o que o amor pode fazer, no silêncio das perguntas. Não o incomode. Aceite a transformação em  sua vida, antes vazia e sem cor. Sinta. Não pense, para que as perguntas não comecem a invadir o reino dos sentimentos.
A palavra amor é o nome. Responde em parte às suas perguntas, mas note que, essas quatro letras reunidas não modificam e nem de longe alcançam, aquele transbordamento que há pouco você sentiu.
            Sentimentos não foram feitos para serem explicados nem rotulados. Eles gostam de flutuar, sobrevoar nossos pensamentos, tocar de mansinho no coração do outro e voltar aninhando-se  no coração onde moram. Eles gostam de voar livres e belos, com as asas bem abertas para a vida inteira.
Rilke aconselha ao jovem poeta, que lhe pergunta se seus versos são bons: " O senhor olha para fora, e é isso sobretudo que não devia fazer agora. Ninguém pode aconselhá-lo, ajudá-lo, ninguém. Há apenas um meio. Volte-se para si mesmo. investigue o motivo que o impele a escrever; comprove se ele estende as raízes até o ponto mais profundo do seu coração, confesse a si mesmo se o senhor morreria caso fosse proibido de escrever”(Rilke,2009).
Os poetas sabem que sentimento não é reação ao que alguém nos provoca: é parte de nosso ser, que se propaga, exala, emana; é pássaro que nasce no  reino profundo e misterioso da nossa sensibilidade. Eles sabem que toda palavra transporta  algo que é colorido, belo e muito visível.  Em busca dessa visão, os poetas escrevem ...ou deixariam de viver.
Acredito que, se por uma unica vez, assistirmos ao voo dos sentimentos, ficaremos tão encantados, que renunciaremos para sempre a tantas perguntas e poderemos , libertos,  ler e sentir toda a poesia, escrita no livro que conta a nossa história.





Revisto e atualizado em 24 de maio de 2012

Susana Meirelles




REFERENCIA BIBLIOGRÁFICA


RILKE, Rainier - CARTAS A UM JOVEM POETA; Tradução de Pedro Sussekind- Porto Alegre; L&PM, 2009

8 comentários:

  1. SUSSU minha amiga! Perdoe minha pretensão,mas ler esse seu texto, me revelou a mim mesma! Quando você descreve com tanta delicadeza o que sentem os poetas, vi revelado o porque dessa minha necessidade vital de expressar sentimentos em poesia! Suas palavras doces e sábias, me explicaram o que é ser poeta e digo mais...você também é!Obrigada querida! Luzes no seu caminho sempre...Abreijos,Marcinha

    ResponderExcluir
  2. Marcinha, obrigada! sei que vc assiste o voo dos sentimentos ,nos poemas que escreve. Fico feliz em tocar o seu sensivel coração.

    ResponderExcluir
  3. MAIS UMA PÉROLA, SU. PARABÉNS!

    ResponderExcluir
  4. eleuzis@hotmail.com25 de maio de 2012 12:29

    Muito lindo! Parabéns! Belas palavras.

    ResponderExcluir
  5. Sim, Su...mas pra quem foi mesmo que vc escreveu esse texto? Lembrei da nossa última reunião. Depois conversamos...rsss. O texto é simplesmente, Maravilhosooooo, Belíssimo....bjos/Fátima Carneiro

    ResponderExcluir
  6. Sábias palavras, Su! (como sempreeeeee!!!!)

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  8. Maravilhoso, Su!!!! Como tudo que você escreve!! Acerta em cheio nossos corações sem palavras e cheios de motivos!!!

    ResponderExcluir